Revista Argia entrevista muralistas na Espanha

A edição de abril da Revista Argia, uma publicação impressa semanal e online de Bilbao (cidade da comunidade autónoma do País Basco, Espanha), entrevistou os repórteres da Agência Mural João Paulo Brito, da Vila Nova Cachoeirinha, e Rafael Balago, de Pirituba, sobre o trabalho realizado pela Agência em São Paulo.

A entrevista em Basco está disponível no site e o PDF da revista pode ser conferida aqui.

RevistaArgia_Bilbao

AGÊNCIA MURAL

As crônicas independentes das periferias de São Paulo

João Paulo Brito e Rafael Balago nasceram em São Paulo em 1988. 12 milhões de pessoas vivem nesta cidade gigantesca do Brasil e é claro que a grande mídia não recebe tudo o que acontece em toda a cidade. Como resultado da periferia de ser informatizado ou estereotipado, eles começaram a criar uma rede de jovens jornalistas nesses bairros. Resultado: Agência Mural. Graças à colaboração de Paz e Dignidade no País Basco, pudemos descobrir o projeto.

LANDER ARBELAITZ @larbelaitz
01 de abril de 2018

Como foi criado Mural?

Rafael Balago: O jornalista Bruno Garcés abriu um blog sobre as periferias de São Paulo. Ele disse que frequentemente escrevia em países estrangeiros, mas nunca havia escrito sobre muitos subúrbios da vizinhança e, nesses lugares, sempre dava más notícias à mídia. Assassinato, violência, estereótipo… Por meio de uma bolsa ele  começou a treinar jovens na periferia para se informar sobre as coisas que estavam acontecendo onde moravam. Desde então, este blog se tornou uma agência de notícias.

João Paulo Brito: Quando nos referimos às periferias de São Paulo, estamos falando de bairros que estão longe do centro. Muitos não têm filmes, teatros e benefícios públicos básicos. Você precisa de duas ou três horas para chegar ao meio do ônibus, às vezes mais. Jornalistas de tamanho médio na mídia não conhecem as periferias. Eles não conhecem essa realidade e não escrevem sobre a vida das pessoas, sobre sua atividade cultural. Eles sempre falam de bandidos ou assassinos, a criminalização de pessoas pobres é horrível. Mural é uma agência pioneira que lida com esses bairros periodicamente de forma positiva. Muitas pessoas nos veem como exemplos da maneira pela qual a mídia de massa pode abordar esses bairros na prática.

Que tipo de jornalismo você faz?

J.P. Brito: Nós temos no DNA da Agência Mural que não queremos focar o que as outras mídias fazem. Não estamos falando apenas dos problemas das pessoas pobres. Tentamos ter empatia, procurar belas histórias que valham a pena ler ou discutir notícias sobre projetos interessantes. Temos uma grande explosão cultural em São Paulo nos últimos anos: há muitas iniciativas, filmes populares, shows, etc. Estamos lidando com a Agência Mural para aproximar os cidadãos dessa realidade. Aqui está a vida, você tem que estar alerta, tem algumas coisas interessantes.

A palavra periferia é o foco do projeto.

J.P. Brito: Eu não sei quão bem as coisas estão aqui no País Basco. Quando estamos em São Paulo, as pessoas passam horas no transporte. Existem favelas e bairros mais estruturados, mas basicamente são cidades pequenas dentro de outro gigante. Em milhões de pessoas, os bairros têm sua própria dinâmica e alguns, por exemplo, têm o tamanho de Bilbao. A área é grande e muito diferente. Os grandes meios de comunicação estão contando as notícias daqueles que vivem com melhores condições de vida no centro e das vidas de milhões de pessoas na periferia.

R. Balago: A maioria dos jornalistas da cidade vive no meio de São Paulo, onde trabalham, e para ir para um bairro externo, um jornalista precisa de duas a três horas no carro, trabalha e retorna por um longo tempo na estrada. Eles não são tão maduros quanto chegamos a essas histórias, porque estamos lá. Eu sempre vi um jornalista querer oferecer uma entrevista interessante e recusar jornalistas a viver como um entrevistador em potencial. Isso geralmente acontece na edição.

Qual é a realidade da mídia em São Paulo?

R. Balago: Embora algumas pessoas comprem jornais, a principal fonte de informação nas periferias é a televisão. Estamos contentes por termos visto que as informações publicadas por nós às vezes saem nos canais de televisão posteriormente. Às vezes eles pedem um contato.

J.P. Brito: Vale ressaltar que escrevemos alguns artigos sobre as necessidades de um bairro, logo em seguida, os funcionários da prefeitura vão fazer reparos. Esses problemas não saem nas outras mídias e, portanto, a nossa também é uma espécie de pressão.

Quantos colaboradores você tem e como você fez a rede?

Balago: No ano passado, 58 pessoas escreveram algo sobre Mural, somos 80. Deve ser levado em conta que é um trabalho feito em tempo livre, e todos nós temos outro emprego. Todos os meses nos reunimos para falar sobre o projeto.

J.P. Brito: Até recentemente, os jovens intempestivos vão para a universidade. Graças aos programas sociais de Lula da Silva, tivemos uma grande mudança no Brasil. Eles criaram muitas bolsas e nós, por exemplo, graças a essas bolsas, fomos para a universidade. Nós somos os primeiros estudantes universitários em nossas famílias. A agência mural também responde a isso. Os jovens da universidade, em algum momento, aprenderam que havia uma agência formada por jovens como nós, como jovens periféricos, de uma maneira muito interessante para falar sobre nossos bairros.

O trabalho se espalha pelas comunidades?

R. Balago: Nós falamos pela primeira vez de forma periférica para as pessoas no centro da cidade, mas depois de muitas de nossas discussões, começamos a mudar. Começamos a escrever para as comunidades e tornar nosso projeto conhecido. Lançamos a iniciativa chamada Mural Expo. Como muitas pessoas não têm conexão com a Internet, começamos a fazer ligações para os bairros, movendo o material impresso para o site e nos colando às paredes da rua para lê-lo. Recentemente, começamos a criar equipes do Facebook no bairro, coletando pessoas e divulgando materiais, facilitando a comunicação.

Como o Brasil está fazendo jornalismo atualmente?

J.P. Brito: muito mal. Alguns fatores fazem com que os jornalistas trabalhem mais. Não tenho dados, mas o Brasil é um dos países mais perigosos do mundo para os jornalistas. São Paulo, no Rio de Janeiro, ou o jornalismo brasileiro pode ser mais seguro. Para dizer jornalismo urbano de certa forma, na sede do meio, alguns têm segurança em seu trabalho. Mas em outros lugares, por exemplo, no norte, nordeste e sul do país, ou em lugares onde trabalhamos, os jornalistas são pessoas muito simples que têm treinamento, mas que precisam trabalhar em outras coisas. O policial é muito violento e ameaça o jornalista. Há membros que perderam a vista em manifestação, que ameaçaram suas famílias ou aqueles que escaparam de Brasília porque teriam morrido. Em um caso concreto, o Jornal Brasileiro de Jornalistas de Pesquisa realizou um filme sobre jornalistas no ano passado. Ele aborda o caso de um jornalista que trabalhou no rádio, e foi assassinato no período da tarde após denunciar a corrupção de um político local pela manhã. É horrível e está acontecendo.

Quais são os outros fatores que complicam o jornalismo?

J.P. Brito: Outra é a censura judicial. Quando a corrupção de um político é denunciada, esse político inicia um processo contra você. Dinheiro, trabalho, força … perdem jornalistas. Há um grande debate na sociedade sobre este assunto.E o terceiro fator é a precariedade. Eles também têm um trabalho muito precário em grandes editoriais. Muitos jornalistas não têm um registro formal,  são baixos os salários e as pessoas têm que aceitar isso porque há pouco trabalho.

Vocês têm problemas com poder?

J.P. Brito: Nós geralmente não lidamos com questões de violência e crime. O coletivo de jornalista mural é importante para monitorar as periferias do ponto de vista que mencionamos acima. Existem outras mídias que monitoram especificamente outros problemas. Por exemplo, temos uma contraparte poderosa no Brasil chamada Ponte, com jornalistas experientes, para continuar a segurança pública e os abusos dos direitos humanos. Às vezes, quando recebemos informações relacionadas a essas questões, preferimos dar a elas, porque elas serão melhores. O Brasil está em um momento muito interessante porque novas mídias estão sendo criadas, a Agência Publica está conduzindo pesquisa jornalística, um novo meio que faz um jornalismo explícito de longo prazo, preocupado com a última hora. A Mural faz parte deste ecossistema.

Como você é financiado?

R. Balago: Somos uma agência e estamos cobrando nosso conteúdo em outras mídias, como a Folha de S. Paulo. Agora estamos procurando financiamento para criar uma estrutura fixa por meio de programas internacionais. Também fizemos uma campanha de arrecadação de fundos on-line. Estamos tentando diversificar o financiamento, mas ainda temos muito trabalho a fazer.

Você também informa em inglês. Por quê?

J.P. Brito: Estamos colaborando com o Global Voices. Eles publicam nossos textos e os devolvem para outras línguas. É importante também informar em inglês, caso contrário esta realidade não existe internacionalmente.

Finalmente, você pode escolher uma das histórias que você publicou no Mural?

R. Balago: Nós fomos à estação há um ano, com uma régua medindo a distância no trem. Chegou a um total de 91 estações e a cerca de 40 centímetros um buraco. Descobrimos que houve muitos acidentes em que as pessoas caíram nesses buracos. Nós escrevemos um relatório especial sobre isso colocando todos os dados na tabela. A agência de trem nem sequer tinha esses dados, foi um grande golpe. Então a TV continuou e eles puderam fazer relatórios, e o governo começou a adicionar um pouco de borracha para resolver o buraco. Nenhuma coincidência, apenas os reparos foram feitos nas estações do centro.

J.P. Brito: Pareceu-me legal a história que tivemos sobre um prédio em uma favela. Ele tinha sete andares, mas primeiro se uniram em um novo andar, depois outro, depois outro, até chegar a sete andares. Tudo improvisado. A questão era: como está esta casa? E nós falamos com as pessoas que construíram casas e com os trabalhadores. Foi bom.

Leave a Reply